Tempo de leitura: 7 MIN

EQUIDADE DE GÊNERO E MINERAÇÃO

#Compliance#Direito Ambiental#Direito da Mulher#Direito do Trabalho

Compartilhar:

Questões como sustentabilidade, desenvolvimento social e governança são de grande destaque, mas representam desafios em nossa sociedade. É preciso entender que são correlatas e que desenvolvidas transformam princípios em recomendações objetivas para alinhar interesses e aumentar o valor, seja econômico, seja social da organização.

Na mineração, deve-se ter uma profunda compreensão das questões ambientais, sociais e de governança, já que impactam em um negócio sustentável e a alocação de recursos. Pensando sobre isso, a questão de gênero se torna um mister na discussão.

Realizado pela Women in Mining Brasil (WIM Brasil), o primeiro Relatório de Progresso do Plano de Ação para o Avanço das Mulheres na Indústria de Mineração mostra que 15% da força de trabalho na indústria mineral é composta por mulheres, um crescimento de 2% na comparação com 2020. (Fonte: Brasil 61)

Em que pese o crescimento, o percentual ainda é tímido. O mesmo relatório explica que: “… desde leis que impedem as mulheres de trabalhar em empregos específicos até o estereótipo dos papéis e habilidades de gênero, historicamente os setores de metais e mineração eram ambientes inóspitos para que as mulheres entrassem e progredissem na carreira. A mudança há muito tempo esperada está acontecendo agora na indústria, mas ainda há muito trabalho a ser feito“.

A diversidade de gênero na mineração continua sendo de grande preocupação, sendo necessário pensar a inserção desde a mina até a sala da administração. Investir na diversidade de gênero pode dirimir conflitos internos, além de proporcionar uma variedade de habilidade, de ideias, de abordagens e de estratégias, sem falar na contribuição social que alcança.

Para empresas que tem como escopo a integridade e o respeito, criar uma cultura positiva e inclusiva às mulheres é mais uma representação prática de seus valores.

Contudo, não é necessário apenas investir na contratação de mulheres, mas garantir que a mineração seja um ambiente seguro para as mesmas. Assim, é preciso apoiá-las para alcançar papéis de alta liderança, e garantir a saúde e segurança das mulheres que já fazem parte da indústria, como por exemplo, garantindo EPIs específicos femininos.

Assim, a promoção da diversidade e da equidade pode se dar dentro da empresa, por meio da educação corporativa, mas também de forma externa, por meio das iniciativas de investimento social, ajudando mulheres a desenvolver papéis autônomos, promovendo habilidades de liderança e fortalecendo as relações comunitárias.

Conforme todas as evidências comprovam ainda há um longo caminho a ser percorrido para alcançar a igualdade de gênero de forma verdadeira e duradoura. Contudo, a indústria da mineração pode (e deve) promover ações que acelerem esse processo para se transformar em uma indústria conectada com valores sustentáveis, sociais e de governança.

Escrito por:

Raíssa Vasconcelos

Acolhimento e coragem para a luta da efetivação dos direitos das mulheres.